Beleza Oculta é fábula sobre dor e redenção



CINEMA - Longa em cartaz em Belém tem como protagonista o veterano Will Smith

Beleza Oculta (Collateral Beauty), de David Frankel, foi lançado nos Estados Unidos na véspera do Natal. Não por acaso. Não existe acaso na indústria do cinema. Tudo obedece a planos e planilhas. O que não quer dizer que tudo saia de acordo com a prancheta. É que o “espírito” do filme, digamos assim, é francamente natalino - sem que haja aqui qualquer conotação pejorativa. Trata-se de uma história de cunho humanista, de aprendizado com a dor e de redenção, propícia a uma época do ano em que os corações estariam em tese mais sensíveis. No entanto, foi recebido a pedradas pela maior parte da crítica séria.

Fonte: Site de O Liberal Online (Texto e foto)

Comentários

  1. Eu não entendo por que ele foi tão criticado, se o filme realmente foi um dos favoritos das pessoas que eu conheço. Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, pórem devo reconhecer que o filme com Will Smith 2017 foi bom já que foi uma historia de drama muito criativa que usou elementos inovadores. Acho que Beleza Oculta é um filme ideal para se inspirar e descansar do louco ritmo da semana. Se alguém ainda não viu, eu recomendo amplamente, vocês vão gostar com certeza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MENSAGEM DA SEMANA