Um poemito acaboclado



Resolvi homenagear meu poetamigo Nilson Mesquita (Foto), a quem gosto de chamar " Cabôco Nirso". Como bem diz ele, escrevinhei este texto baseado na linguagem interiorana/cabocla, usada em algumas Regiões do para. As pronúncias são mais ou menos iguais ao que está escrito. Espero que todos gostem, pois qualquer semelhança é mera coincidência.


Pruza Cabuca

U cabuquim fui mijá detrás da muita
Quando rudiava o locá
Incuntrô uma cubra afuita
Ela quiria murdêr o pé du bichim
Pra si prutegê
O cabuquim deu um sarto pra riba
Tava si caganu di mêdu
Curreu pra dibaxu da barraca
Quiria i nu banhêru
Butô um chapé nu quêngu e um pano nus zói
Pra num vê nadinha
Puis tava numa prega medonha
Prucurô arguem pra pidí sucurru,
Mas na barraca num tinha um vivente siqué
A cubra cuntinuava nu terrêro
Tuda imbuladinha i nem si mixia
U cabuquim tumô um gule dagua
Pra dispachar u nó da guela
A cubra num saia du lugá
Ele intonse passô a mão na bunda
E sintiu a cueca breada de busta
Nem sabia qui tinha si cagádu
Si limpú cum sabugu de míi
U cabuquim tava munto apavuradu
Nem si deu cunta qui o tempu si passava
Vortô pro quintá i juntô uma muntuêra di mátu
Qui a cubra tinha rancadu
Su ficú u pixé da bixa
Cum issu ele ficú aliviádu
Êita caboclim medrusu da peste!

Hê-hê





Comentários

MENSAGEM DA SEMANA