Provas de concurso para delegado da Polícia Civil do Pará são anuladas




Candidatos denunciaram aberturas em envelopes que continham provas.
Novas provas serão aplicadas até o final de novembro.

A Secretaria de Estado da Administração (Sead) anunciou nesta quinta-feira (13) a anulação das provas objetivas e subjetivas do concurso público para o cargo de delegado da Polícia Civil do Pará. A Sead e a Polícia Civil investigam supostas irregularidades encontradas em envelopes que continham provas. Novas provas serão reaplicadas em um prazo de até 45 dias para os mais de 14.500 inscritos. Não serão abertas novas inscrições.
As provas de conhecimentos e peça processual foram aplicadas no dia 25 de setembro, em Belém, Marabá, Santarém e Altamira. O certame teve a participação de mais de 10 mil candidatos e foi organizado pela Fundação Professor Carlos Augusto Bittencout (Funcab). Ainda no dia do concurso, candidatos denunciaram a existência de fissuras em pelo menos 12 envelopes que continham as provas, irregularidade encontrada em sete locais de realização do concurso.
Segundo a Sead e polícia, o problema teria ocorrido no transporte das provas para alguns locais de exame, em Belém. A polícia afirma que, embora acondicionados dentro de malotes lacrados, alguns pacotes contendo as provas do período da manhã sofreram pequenas fissuras, por causa do atrito entre os volumes durante o percurso de Niterói, no Rio de Janeiro, onde fica a sede da Funcab, até as escolas no Pará.
A avaliação preliminar da Secretaria e da Polícia Civil era de que fissuras não seriam suficientes para a retirada de algum exemplar da prova, o que provocaria o vazamento do conteúdo a ser aplicado. Sob orientação pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), os órgãos deram início à investigação sobre a ocorrência. Na última sexta-feira (7), o Ministério Público do Pará recomendou a anulação das provas.
Inquérito
A polícia afirma que ainda no domingo (25 de setembro) foi instaurado o Inquérito Policial nº 273/ 201610084-1, sob a responsabilidade da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe), para apurar os fatos.
Coordenadores e fiscais de escolas e salas prestaram depoimentos e relataram em atas os acontecimentos nos locais de provas. Será requisitada também a perícia dos envelopes com o objetivo de esclarecer se houve qualquer violação ou se o problema é decorrente mesmo apenas do transporte dos documentos.

O inquérito para identificar as causas das fissuras nos envelopes está em andamento e tem prazo de conclusão definido para o dia 25 de outubro.

Comentários

MENSAGEM DA SEMANA