Morre o poeta Rufino Almeida

TALENTOS - Além de escritor reconhecido, ele também era triatleta e fotógrafo


As letras e o esporte paraenses perdem um de seus maiores defensores. O escritor, triatleta e fotógrafo Raimundo Rufino Almeida morreu ontem, aos 79 anos de idade, perto de completar 80 anos no dia 25 próximo. Rufino encontrava-se internado no Hospital da Aeronáutica, e não resistiu a complicações provocadas por insuficiência renal. O guerreiro Rufino Almeida, com oito livros lançados e também medalhas e troféus de eventos esportivos, está sendo velado na Capela Max Domini, em frente ao Cemitério de Santa Izabel, na avenida José Bonifácio, no bairro do Guamá. De lá, às 10 horas de hoje, sairá o enterro em direção ao Cemitério do Tapanã, para o sepultamento.
Rufino atuou por décadas como colaborador de O LIBERAL fornecendo informações e fotografias sobre eventos esportivos. No meio dos jornalistas, Rufino cultivou amizades duradouras. No esporte, além de incentivador, Rufino Almeida foi um apaixonado pela natação. Atuou como triatleta e foi nadador master pelo Clube do Remo. Mas, desde cedo, a literatura sempre fez parte do universo de vida de Rufino, um paraense nascido em Barcarena. Esse caso de amor com as letras e o esporte durou a vida toda dele. Chegou a escrever para crianças e jovens.

Edição: Roberto Lisboa
Fonte: O Liberal/Magazine

Comentários

MENSAGEM DA SEMANA